• Karina Rebelo

Psicologia Positiva aplicada às organizações



Uma breve historicidade:


Por muitos anos a fio os estudos e as pesquisas eram relacionados aos aspectos psíquicos voltados ao sofrimento, as fraquezas e as falhas dos seres humanos. A psicologia positiva surge como complemento aos estudos da Psicologia Humanista da década de 1970, tendo como objetivo maior valorizar as forças pessoais e descobrir quais fatores promovem a qualidade de vida, o bem-estar e a felicidade em pessoas, comunidades, grupos e organizações.


Neste período, foram resgatadas muitas concepções das ideias humanistas de Abraham Maslow, Carls Rogers, Victor Franklin, Moreno e Erich From, os quais começaram a refletir sobre o que constituía uma vida feliz, em vez de se limitarem a aliviar as dores da depressão e da angústia. Também há de se considerar as influências da psicologia cognitiva, em especial por meio dos achados do psicólogo Aaron Beck (1999), segundo a qual as maneiras como as pessoas avaliam as situações das suas vidas variam, entre elas, e ao longo do tempo.


Em janeiro de 2000, os psicólogos Seligman e Csikszentmihaly publicaram uma edição especial na American Psychologist, onde enfatizaram que, na Psicologia, não eram produzidos conhecimentos científicos suficientes sobre as virtudes, qualidades, potencialidades e forças psíquicas dos seres humanos. Tal fato se caracterizou como “marco histórico”, uma vez que, a partir daí se deu início a um importante movimento na Psicologia, denominado Psicologia Positiva. O propósito central de tal movimento foi o de extrapolar os limites das abordagens circunscritas às patologias e se endereçar teórica e empiricamente à construção de qualidade de vida nas dimensões subjetiva e objetiva dos seres humanos, nos níveis individual e grupal (MARUJO et al., 2006).


A partir deste novo modelo paradigmático e mental de compreender as pessoas, passou a ser proposta uma forma distinta de conceber a dinâmica psíquica dos seres humanos, que não desconsidere os problemas humanos, mas que mantenha o foco na positividade (otimismo), qualidades, virtudes e potencialidades.


Apesar de os estudos sobre bem-estar e felicidade terem sido o ponto de partida das investigações realizadas no campo da psicologia positiva, outros temas também vêm sendo foco de atenção de acadêmicos, gestores e demais trabalhadores, como por exemplo: fortalezas pessoais, emoções positivas, resiliência, flow, gratidão, sentido de vida, esperança e otimismo. Salanova (2016) ressalta que o objetivo de estudo da psicologia positiva é transversal e perpassa distintos contextos e aplicações na área da psicologia (saúde, trabalho, organizações, esportes, lazer, etc.).


Psicologia Positiva aplicada às Organizações

Quero iniciar esta reflexão com as seguintes questões:

  • A felicidade no trabalho é passível de ser construída ou se configura como utopia?

  • Qual o papel dos trabalhadores na construção da felicidade por meio do trabalho?

  • O que os seres humanos esperam dos seus trabalhos?

  • Quais seriam os elementos ou dimensões fundamentais constituintes da felicidade no trabalho?

No contexto das organizações e do trabalho, ainda são limitados os modelos teóricos e empíricos que tratem deste fenômeno. No entanto, segundo Goleman (2016) e Schein (2009), a felicidade é, em muito, consequência de relacionamentos profícuos e gratificantes, configurando-se como relações de autêntica ajuda. Nesta perspectiva, atributos como confiança, reconhecimento, integridade (fazer o que fala, cumprir o que promete), otimismo, empatia, resiliência, esperança, gentileza e gratidão, entre outros conceitos relacionados, poderão ser inseridos, sempre por meio de atitudes e de comportamentos orientados para a positividade.


Também a este respeito, Albert Einstein, o renomado físico, afirmou que o ser humano, ao ser encharcado de sentimentos negativos denotam vazio existencial, além de se tornar infeliz, diminui sobremaneira sua capacidade de viver de modo pleno (Frankl, 2015). O que parece significar para gestores e demais trabalhadores um desafio visar a criação de políticas e práticas organizacionais positivas com o intuito de alinhar atitudes, comportamentos pessoais e profissionais com valores, missão e visão das organizações. Configuram ações relevantes à construção do que se compreende como felicidade e bem-estar. Ou seja, se torna fundamental encontrar clareza, sentido e propósitos significativos nos papéis que são desenhados na vida organizacional.


O desafio hoje é construir uma cultura organizacional saudável, onde busca-se de forma incessante o equilíbrio e o alinhamento da equação entre qualidade de vida, bem-estar e felicidade, produtividade, qualidade e rentabilidade organizacional (Csikszentmihalyi, 2004).


Além disso, na essência da concepção do que se poderá considerar uma organização reconhecida saudável, as suas políticas e práticas são atributos fundamentais, como por exemplo: desenho das tarefas, os horários de trabalho, estilos de liderança e gestão, da eficiência, da eficácia e da efetividade organizacional, bem como das políticas práticas de gestão de pessoas (SALANOVA, 2008; 2009).


O que as organizações precisam entender, é que ausência de doenças e enfermidades não caracteriza uma organização saudável, mas sim aquela que compreende, através das suas políticas e práticas, que saúde é um estado completo e integral de bem-estar físico, mental e social, sejam elas de natureza física ou psíquica (ONU, 2010).


Falar de psicologia positiva e aplicar sua metodologia nas organizações é dar atenção autêntica ao ser humano, quando em situações de trabalho. Pressupõem-se considerá-los, de fato, como o patrimônio fundamental, essencial e estratégico das organizações. Contudo, os discursos nesta direção, somente se tornarão efetivos, quando ancorados em políticas e comportamentos, tanto de gestores quanto dos demais trabalhadores que reiteradamente possam confirmar tal afirmação no cotidiano da vida organizacional. Do contrário “soarão” simplesmente como retóricas que expressam hipocrisias.


Então, a cerca desta breve explanação, deixo a você a reflexão sobre as questões acima. Tenho certeza que muitos insights surgiram e outros surgiram.

Gostou do artigo, será um prazer falar mais sobre ele com você, nos acompanhe nas nossas redes sociais.


Karina Rebelo

Diretora da Provoko

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo